Nas últimas décadas, os carros foram perdendo muitos componentes. Por exemplo, você consegue imaginar um carro atualmente com cinzeiro? E quebra vento? Mas indo além de detalhes, o que também
pode virar peça de museu nos automóveis é, acredite, a caixa de câmbio manual. É um processo que vem ocorrendo gradativamente por conta de introdução de tecnologias de condução
semiautônoma e até mesmo implantação de motorização elétrica.
Embora muitos carros ainda tenham o pedal da embreagem, muitos outros já abandonaram esse recurso. De acordo com um estudo recente da Automotive News Canadá, a escassez de carros com
câmbio manual só tende a aumentar. inclusive, alguns modelos já estão com os dias contados. Na Fiat, Dublô, Grand Siena e Uno têm aposentadoria certa, afina, com projetos antigos,
não devem ter atualizações mecânicas e visuais. Na prática, os três podem ser substituídos pelo Pulse, que tem mecânica moderna (inédito 1.0 turbo) e carroceria SUV – a mais pedida
pelos clientes hoje em dia. É esperado que o modelo promova a estreia do novo câmbio CVT da marca italiana.

Fiat/Divulgação

Na Europa

Os grandes pivôs para essa demanda por transmissões automáticas são, entretanto, a implantação de tecnologias embarcadas como o sistema de frenagem automática de emergência, por exemplo, não compatível 100% com câmbio manual.

Com base no processo de eletrificação e automação dos carros, caiu a oferta do câmbio manual em algumas partes do mundo. A partir de 2023, a Alemanha, por exemplo, vai reduzir a oferta para alguns modelos do line-up, como Tiguan, por exemplo. No Brasil, o modelo, aliás, sempre teve apenas câmbio automático.

Por aqui, entretanto, diversos modelos deixaram de lado a opção de câmbio manual. No segmento de sedãs médios, por exemplo, quase impossível encontrar opções ao câmbio automático. E, conforme o Jornal do Carro noticiou no ano passado, os modelos com câmbio manual praticamente sumiram das concessionárias.

Mesmo na gama de SUVs, quase não há procura por unidades manuais. Quase 100% das vendas do Jeep Renegade são compostas por versões automáticas. Na Volkswagen, aliás, o T-Cross manual tem representação quase inexistente. No entanto, questionada pelo Jornal do Carro, a marca prefere não abrir o share de versões por questões estratégicas.

Realidade em modelos de entrada

Quem compra carro de entrada, certamente, está querendo gastar pouco. Logo, precisa abrir mão de algumas regalias – como o conforto. É tanto que mais de 95% dos modelos populares vendidos, como Fiat Argo, por exemplo, saem com câmbio manual. O Fox, entretanto, que não tem opção automática, não deve durar muito em linha. Afinal, nem é o mais barato da gama, nem traz a comodidade exigida pelo cliente.

Volkswagen/Divulgação

Do outro lado da moeda, quem tem um pouco mais de grana prioriza, entre outras coisas, o descanso para o pé esquerdo. Para se ter ideia, o Volkswagen Nivus sequer oferece opção de câmbio manual. Na Europa, até 2030, a marca quer eliminar totalmente o câmbio manual. O mesmo deve acontecer nos Estados Unidos e China.

Fonte: jornaldocarro.estadao.com.br

Leave a Reply